Cefaleias e Diagnósticos

De acordo com a 3a Edição da Classificação Internacional das Cefaleias (ou ICHD-3), da International Headache Society, existem dezenas de tipos de cefaleias (dores de cabeça). A ICHD-3 subdivide as cefaleias em 2 grupos principais, as cefaleias primárias, quando as cefaleias são as doenças propriamente ditas e as cefaleias secundárias, quando as cefaleias são decorrentes de outros fatores como trauma, tumor, doenças metabólicas, infeções, etc.

Com os critérios estabelecidos pela ICHD-3, o neurologista é capaz de identificar o tipo de cefaleia após exames clínico e, se necessário, exames laboratoriais e de imagem. A partir daí, ele irá propor o tratamento adequado.

Exemplos da importância de se adotar os critérios da ICHD-3 são vistos diariamente na prática médica e mesmo assim, casos de difíceis diagnósticos ainda são presentes.

Um recente relato de caso publicado na revista Cephalalgia, uma das revistas mais importantes de neurologia e cefaleias, descreve o caso de uma mulher de 48 anos com histórico de 2 anos de cefaleia intensa do lado esquerdo da região frontal (testa) desencadeada e agravada por mínimo esforço físico, como subir escadas, tossir, assoprar. As crises começaram após um passeio de montanha russa e ela nunca havia tido dor de cabeça até esse fato. A paciente relatou, também, que 6 anos antes desse incidente ela sofreu um episódio de concussão com perda da consciência por mais de 10 minutos após forte pancada no lado esquerdo da testa num acidente no toboágua. Exames de tomografia computadorizada não mostraram alterações no cérebro, mas o exame de angiografia acusou alteração da anatomia da arteria meningeal média (AMM), uma artéria intimamente relacionada às cefaleias em geral, inclusive à enxaqueca. A AMM apresentava múltiplos pontos de estreitamento com adesão da dura máter consequente ao trauma. A remoção cirúrgica de parte da AMM cessou completamente as crises de dor de cabeça. Esse tipo de cefaleia é considerado cefaleia secundária, pois se originou após um trauma, embora nesse caso em particular, o trajma afetou estruturas anatômicas que são envolvidas nas cefaleias primárias como a enxaqueca, por isso a importância de ter sido divulgada.

Esse exemplo foi mencionado aqui para ressaltar a importância de procurar um médico quando sentir dor de cabeça recorrente e como a sua história de vida, sua história clínica, pode ajudar a descobrir as causas e encontrar o melhor tratamento.

Assim, deixamos aqui 5 dicas importantes para você anotar quando for ao médico:

1) Descreva bem sua DOR e SINTOMAS
2) Tenha um DIÁRIO de dor
3) Traga todos exames médicos recentes
4) TIRE TODAS AS DÚVIDAS
5) Não oculte nada que possa estar relacionado à sua dor!

Cuide-se!

Referências:

Classificação Internacional de das Cefaleias – Versão Traduzida pela Sociedade Brasileira de Cefaleia

https://ichd-3.org/wp-content/uploads/2019/06/ICHD-3-Brazilian-Portuguese-translation-25062019.pdf

Site da Internacional Headache Society:

http://www.ihs-headache.org

Relato de Caso:

https://doi.org/10.1177/0333102419881682